Análise do livro «O homem mais rico da Babilónia»

Um dos maiores clássicos da literatura, «O homem mais rico da Babilónia» é, sobreturo, um manual de poupança imprescindível

Indicado para todas as idades e todas as fases da vida, «O homem mais rico da Babilónia» é um clássico intemporal que transmite sabedoria financeira. O lançamento deste livro deu-se em 1926, e trata de um conto com lugar na antiga Babilónia há vários milénios atrás. Hoje, a Babilónia não existe, mas noutros tempos foi uma cidade riquíssima, situada na Mesopotâmia, onde hoje fica o Iraque. Mesmo que tudo o que lá tenha existido esteja reduzido a pó, a sabedoria que por lá nasceu, permanece.

É um livro bastante pequeno, com 128 páginas. O livro em si não traz nada de disruptivo, mas relembra-nos as lições financeiras mais básicas: paga-te a ti mesmo, vive com menos do que ganhas, aceita conselhos de pessoas que saibam o que estão a dizer, e põe o dinheiro a trabalhar para ti. Qualquer pessoa que tenha atingido a independência financeira, sem heranças, teve de abraçar estes 4 fundamentos. Essa razão, por si só, faz deste livro uma leitura obrigatória.

Temos de saber aproveitar a vida, poupar sem ser avarentos, e trabalhar mas sem prescindir de algum tempo com os nossos. Para sermos bem sucedidos, temos de sentir o desejo e a ambição de o ser, e não sonhar acordados com uma realidade para a qual não estamos, verdadeiramente, a lutar.

Esta filosofia resistiu ao teste do tempo, pois ainda hoje é vista como um pilar para o sucesso. Desde Zenão de Cítio (fundador do estoicismo) ao Charlie Munger (investidor e vice-presidente da Berkshire), muitos têm vindo a apregoar o mesmo tipo de sabedoria.

Gasta cada dia tentando ser um pouco mais sensato em comparação com o que eras quando acordaste. Com o passar dos dias – se viveres tempo suficiente – conseguirás obter o que mereces”

Charles T. Munger, Poor Charlie’s Almanack: The Wit and Wisdom of Charles T. Munger

Ainda que os conselhos gravitem à volta do mesmo, muita gente não consegue aplicá-los na sua vida, seja por estarem numa situação muito complicada, seja por falta de literacia financeira ou porque apenas não sabem por onde começar. É aqui que o livro mostra todo o seu esplendor, pois orienta o leitor em direção ao caminho certo, e de forma muito intuitiva.

Condensadas em 11 capítulos, são várias as lições financeiras que o autor nos traz. Apresentamos, aqui, aquelas que são verdadeiramente fundamentais:

  • Guarda 10% de tudo o que ganhas: só desta forma poderás juntar capital quer para uma emergência, quer para investir.
  • Controla as tuas despesas: define um orçamento para todos os teus gastos, sejam comodidades, sejam luxos, sejam bens essenciais. Não permitas que um luxo tome conta da maior parte do teu dinheiro, mas não te prives totalmente dele sob o risco de nunca usufruires dos prazeres da vida.
  • Multiplica o teu dinheiro. Não dependas apenas do teu salário, investe e põe o dinheiro a trabalhar para ti. Quando ganhares dinheiro dos teus investimentos, investe também esses lucros. O efeito de bola de neve que daí advém irá te ajudar a atingir a independência financeira.
  • Investe com forma sensata: não coloques o teu dinheiro em produtos que não conheces, ou não percebes como funcionam. Se pretendes aconselhamento, fá-lo junto de quem entende verdadeiramente o negócio.
  • Nunca deixes de aprender: continua a trabalhar nas tuas habilidades, estudando e praticando, pois isso é claramente o maior investimento que podes fazer na tua vida, e com o maior valor esperado.
  • Eventualmente vais errar: é natural errar nos investimentos ou na gestão das tuas poupanças. Toda a gente passou por isso, e quem não passou, irá passar. A questão não é evitar os erros, mas sim aprender com eles.

Há mais para conhecer: o retrato histórico da cidade, as cinco leis do ouro, as tábuas de argila…mas deixamos isso para o leitor explorar. Toda a história, com um cariz altamente bíblico, é muito divertida, por isso o mais provável é acabarem por devorar o livro de uma só vez.

Capa do livro, 10ª edição

Podem encontrá-lo à venda na Wook e na Bertrand. É um valor para a vida, que encorajamos a passar para as gerações seguintes.


Um comentário a “Análise do livro «O homem mais rico da Babilónia»”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.